Este blogue é dedicado à memória do meu Pai, Alberto Pedroso (7 de Abril de 1930/1 de Janeiro de 2011).

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

CONCAS

Maria da Conceição Nunes, conhecida pelo peseudónimo de Concas, nasceu em 1946 em Coimbra e morreu de doença súbita em 1991.Docente, estudiosa, foi um nome incontornável da cultura e artes das Caldas da Rainha. Foi casada com o escultor António Mendes e com ele integrou o chamado "Grupo dos seis", constituído por vários artistas e que esteve na génese da Escola de Arte e Design de Caldas da Rainha. A familia doou as suas muitas obras ao Municipio de Caldas, e em 2009 foi inaugurado nos Ateliers Municipais, o Espaço Concas, onde estão expostos muitos dos seus trabalhos e quadros. O Espaço da Concas é um local a visitar em Caldas e pretende ser um local dinamico, acolhedor e interagir com quem o visita.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

MEMÓRIAS DO ZECA

Lembro-me bem do Ze Afonso bem antes do 25 de Abril de 1974, em encontros e manifestações, mas sobretudo nos convivios e espectáculos, recordo um, creio que foi na sala do Técnico, cheio de gente até não caber mais ninguém na sala. Uma das vezes em que o Zeca foi preso pela Pide, já em 1973, não sei precisar a data, mas pela roupa de que me lembro ter vestida devia ser Primavera ou Outono, eu ia a subir a ladeira para o Hospital Prisão de Caxias, ia visitar um preso politico de longa data, o Angelo Veloso, (no Hospital Prisão os amigos podiam com alguma facilidade fazer visitas aos presos politicos), e vejo passar em direcção a Lisboa, uma carrinha celular olhei e vejo a cara do Ze a espreitar pela janelinha e a fazer-me sinais. Creio ter sido a primeira pessoa a saber da sua prisão. Mas lembro-me principalmente, no dia da manifestação quando da realização do III Congresso da Oposição Democrática, em Abril de 1973,logo que a policia de choque carregou com a habitual brutalidade, por acaso eu ia nas primeiras filas de gente e tropecei, durante instantes que me pareceram uma eternidade fiquei estatelada no meio do chão sem me conseguir levantar e a sentir os pés, sapatos e botas de toda a gente a passarem por cima de mim,e de repente alguém me agarrou e me levantou em braços e pos-me de pé! era o Zeca que viu o que se passava, voltou atrás e me ajudou dizendo: corre moça corre! claro que foi o que fiz, mas mais uns metros corridos fui apanhada e levei a maior carga de pancada que alguma vez apanhei,recordo olhar olhos nos olhos para o brutamontes do policia e pensar "se este gajo me volta a bater vou cair de novo fico aqui", senti-me como uma raposa a fugir dos caçadores, lá consegui correr mais e refugiei-me num café que já estava cheio de manifestantes ou feridos ou em estado de choque. Pouco depois, com os animos já um pouco mais calmos lá nos dirigimos para o teatro onde se realizava o Congresso. Nunca cheguei a agradecer convenientemente ao Zeca, mas nunca esqueci nem nunca esquecerei o seu gesto. Era um grande poeta, um grande trovador, um artista no verdadeiro sentido da palavra, um grande homem, simples e humilde. Por tudo isso, Obrigada Zeca!

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

O ENCANTADOR DE CÃES

Uma série simpática, no canal Sic Mulher,optima para quem como eu tem uma cadela problemática, quer dizer, ela é uma doce, mas apesar de já ter 6 anitos, continua a pular e atirar-se furiosamente contra o portão sempre que passa alguém, mesmo que seja conhecido ou amigo, continua a roer coisas, tais como: sapatos, botas, vá lá já deixou de roer roupas, já não me posso queixar muito.. mas entretém-se a roer outras coisas, como por exemplo, a última foi o comando da TV!!!!.Quando vi nem queria acreditar!!!Realmente devo estar a fazer algo mal com ela, embora considere que o problema é a Pimentinha ser muito, mas muito mimada!
César Milan vai a casa das pessoas,quando é chamado, e toda a gente fica feliz, os donos contentes e os canitos muito bem comportados! Bem, já tentei fazer como ele faz,mas a Pimentinha nem se dignou olhar para mim!! Bem que ela precisava de ser treinada pelo Cesar Milan!....
Mas apesar de tudo, eu adoro esta cadela!!! a Pimentinha, acho que tem tudo a ver comigo! eheheheh!!!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

POEMA 15 - Poesia de Pablo Neruda musicada por Victor Jara

O grande poeta chileno Pablo Neruda morreu na sua casa de Isla Negra no dia do golpe militar de Augusto Pinochet, em 11 de Setembro de 1973. Tempos depois, o cantor e trovador Vitor Jara foi preso, torturado pelos militares dessa mesma junta militar,chegando ao ponto de lhe cortarem as mãos para que não pudesse tocar a sua guitarra e assassinado.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

GOLPE DE BEJA 1962: UM 25 DE ABRIL QUE FALHOU

UMA PEQUENA HOMENAGEM AO CORONEL VARELA GOMES Completaram-se 50 anos no passado dia 1 de Janeiro sobre a Revolta Armada de Beja comandada pelo então Capitão Varela Gomes que ficou gravemente ferido com dois tiros à queima roupa. Facto inédito referido por José Hipólito dos Santos, historiador e investigador, a GNR e a PSP recusaram intervir no quartel e que foram os tiros dos guardas que mataram o secretário de Estado enviado para controlar a revolta. A data foi pretexto para que os participantes ainda vivos recordassem e lembrassem o que foi considerado como uma heroica afronta à ditadura fascista.Pouco antes tinha havido a campanha de Humberto Delgado que mobilizara milhares e milhares de pessoas em Portugal.E também a queda de Goa deu um grande incentivo aos militares. Os sobreviventes de Beja referiram "que o combate e a resistência contra a ditadura e o fascismo em Portugal constituiram um processo continuo ao longo de metade do seculo XX. Neste mesmo processo insere-se a Revolta de Beja, porque aconteceu e ficou selada com sangue e morte." Foi a primeira afronta organizada e tentada contra a ditadura tendo sido seguida logo no ano seguinte pela revolta estudantil de Março de 1962, assim como as comemorações do 1º de Maio desse ano violentamente reprimidas. Nascido a 24 de Maio de 1925, João Varela Gomes, coronel do Exército, escolheu o caminho da coragem e da dignidade, denunciando primeiro o fascismo (e contra ele combatendo mesmo pondo a sua vida em risco), depois aquilo que designa como o "mito da democracia". Na madrugada de 1 de Janeiro de 1962, Varela Gomes, então capitão, comandou a Revolta de Beja. No confronto com os militares do regime fascista foi ferido e preso pela PIDE, tendo sido demitido do Exército Português e tendo passado vários anos no Forte de Peniche. Apenas foi readmitido no Exército após o 25 de Abril de 1974, tendo assumido funções na 5ª Divisão com a responsabilidade na dinamização cultural então levada a efeito. É um homem de grande frontalidade e independência. Prossegue o seu combate pela democracia, considerando que o que vigora actualmente é "filofascista". Em 1999 publicou o livro Esta Democracia filofascista."A desilusão é cruel", escreve."Pelo mundo fora os créditos do sistema democrático estão pelas ruas da amargura". A Revolta de Beja pretendia depor Salazar e democratizar o regime. O ditador não perdoou aos militares envolvidos nem às suas familias. Maria Eugénia Varela Gomes, mulher do Coronel,esteve presa durante dois anos no Forte de Caxias, onde arruinou a saúde e a carreira profissional.Ao ser libertada e com 4 filhos pequenos, sobreviveu sobretudo do apoio de familiares e amigos e de um ou outro trabalho que conseguia arranjar. Ainda durante a ditadura, e logo após a morte de Salazar, a revista Vida Mundial, deu a noticia sobre a revolta falhada. Um dos participantes, Edmundo Pedro, escreveu recentemente um livro de memórias em que relata os acontecimentos da época.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

FERNANDO LANHAS (1923/2012)

Morreu mais um dos grandes artistas, arquitecto, pintor, astrónomo, arqueólogo, que a maioria dos portugueses desconhece e ignora. Fernando Resende da Silva Magalhães Lanhas, nasceu, trabalhou e morreu na cidade do Porto. Estudou na Escola Superior de Belas Artes do Porto, foi amigo e companheiro de Nadir Afonso, Julio Pomar, Manuel Pereira da Silva com quem mantinha longas conversas sobre arte. Colaborou em vários jornais, expôs as suas obras e, Parias, foi influenciado pela musica, pela astronomia e pelo abstraccionismo. Em 2005 recebeu o título de doutor Honosris Causa pela Universidade do Porto, proposto pela Faculdade de Belas Artes.
O Museu de Serralves dedicou-lhe uma exposição retrospectiva. Desde tenra idade se que inquietou com a origem do Homem e do Universo temas que influenciaram as suas obras. Como arquitecto projectou vários edificios no Porto e na zona Norte. Participou com os seus quadros em quase todas as grandes exposições de pintura moderna portuguesa, no Brasil e em diversos países da Europa.