Este blogue é dedicado à memória do meu Pai, Alberto Pedroso (7 de Abril de 1930/1 de Janeiro de 2011).

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

RAUL PROENÇA(1884/1941)


Raul Proença nasceu há cem anos. Cedo iniciara um labor intelectual aliado a uma corajosa e desassombrada intervenção civica. Prematuramente, contudo, a sua actividade sofreria uma interrupção brutal, motivada por prolongada doença. Dessas pouco mais de duas décadas de acção doutrinária e política, de empenhamento profissional, e de criação filosófica e literária, correspondentes ao período que medeia entre os alvores do século XX e o principio dos anos 30, ficou uma obra que o tempo quase cobriu de esquecimento. Injustamente.
Em Caldas da Rainha, terra natal de Raul Proença, quiz-se que a passagem do seu 1º centenário constituisse ocasião para promover um melhor conhecimento dessa obra, nas múltiplas facetas em que se desdobra.
(Texto retirado dum pequeno Opúsculo editado pela Camara Municipal de Caldas da Rainha no ano de 1984, assinado pela Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Raul Proença: José Mesquita de Oliveira, António Neves Pedro, José Luis de Almeida e Silva, Mário Tavares, Eduardo Antão e João Bonifácio Serra), trabalho que mereceu o apoio de Alberto Pedroso, António Reis, Biblioteca nacional, Cristina Proença e David Ferreira).


Raul Proença foi jornalista, republicano,defendeu a República mesmo de armas na mão, extremamente critico dos poderes instituídos na sua época, foi também um dos fundadores da Revista Seara Nova;

Durante a Ditadura Militar esteve exilado; foi um intelectual e tentou por todos os meios mudar as mentalidades em Portugal, Raul Proença vivia muito à frente da sua época.
Foi um dos intelectuais mais activos nas primeiras décadas do século XX.  Além de jornalista, foi ensaísta, filósofo, orador, socialista, humanista, democrata, idealista. Um Homem com letra grande e na sua plenitude!




Sem comentários:

Enviar um comentário